Vídeos – De Nina Simone a Led Zeppelin, confira a setlist de Christina no Jazz Festival

0

Christina no palco do festival de Jazz de Nova Orleans

De vestidinho e barrigão, Christina levou ao pé da letra o som que iria liderar o show dela no Festival de Jazz de Nova Orleans. Na verdade, a setlist, bem inédita, apenas ratifica um pouquinho mais aquelas nossas suspeitas de que o show não pôde ser televisionado por conta do mix de direitos autorais que envolvem as músicas. Christina passou por covers (até It’s A Man’s World marcou presença!), músicas mais novas e algumas que andavam sumidinhas do catálogo dela.

A banda completa da turnê Back to Basics se reuniu para ajuda-la na sonoridade que embalou a noite – e até A Great Big World foi ao palco cantar com ela. Com uma voz profunda, Christina passou por graves, agudos e muito agudos sem fazer feio – e você já pode conferir alguns dos vídeos logo abaixo! (A setlist pode não estar na ordem exata)

Back To Basics Intro

Be My Husband (Nina Simone) & Dirrty (Jazz version)

Lady Marmalade

Nasty Naughty Boy [Interlude]

Ain’t No Other Man
http://instagram.com/p/ng8HlGPpuv/#
http://instagram.com/p/ng0ZE6jaoR/
http://instagram.com/p/ng0iw4Daoc/

Come On Over (Jazz version)

Sugar In My Bowl (Nina Simone)

What A Girl Wants

http://instagram.com/p/ng1WJRS23r/

Candyman
http://instagram.com/p/ng1naaS24K/
http://instagram.com/p/ng2GwNy249/
http://instagram.com/p/ng2CcVhWIJ/

It’s A Man’s World

The Thrill is Gone (B. B. King)

Makes Me Wanna Pray

Say Something (com A Great Big World)

At Last

Whole Lotta Love (Led Zepellin)

Feel This Moment/Moves Like Jagger/Let There Be Love

Beautiful
http://instagram.com/p/ng7Rp9LrNz/

Fighter

Atualizações serão postadas aqui mesmo, ok? Fiquem de olho! E agora, é esperar para conseguirem transmitir essa belezura na televisão, não é?

1 comentário

  1. Ela está mais perfeita que tudo! Está alegre, radiante, e essa barriguinha linda! E essa voz? Oq foi ela cantando “be my husband”?! To chorando de emoção. Ain’t no other man…me senti vendo uma apresentação da b2b tour, a voz continua a mesma! Eu quero muito ver o show completo em boa qualidade, nós merecemos ve-la, merecemos ver um show “novo”… as musicas podem ser praticamente as mesmas, mas é um show ‘aberto’ depois de anos. Ela está maravilhosa, e ver apenas esses videos de 15 segundos me deixou com gostinho de quero 1:30h. Say something: Christina brilhou, bjo pras inimigas hehe. Enfim, rezando pelo show completo!

  2. Que pecado um setlist e apresentação destas não estar completinha com tudo o que tem direito. Maravilhoso. ! Ainda em êxtase com The Thrill Is Gone, omg.. preciso demais disto completo.

  3. Hj eu saí do show com a impressão de que tudo aquilo que vi e ouvi foi irreal. Parecia q eu não estava ali…

    To ainda sem palavras…agora eh curtir New Orleans e o show de amanhã do Bruce.

    Abraços galera

  4. Meu ele canto Makes Me Wanna Pray, esses covers so ela mesmo pra fazer esse feito perfeito, so axo muito chato ela fica priorizando Feel This Moment, Moves Like Jagger e Say Something… Poderia ter inserido mais algo de Back to Basics q ela nunca canto, e Burlesque sera q ela nao lembra q tem esse disco q poderia ter cantado algo dele…. Show perfeito uma pena ele não ser aki no Brasil, ai sim ela ia ver oq é emoção de verdade e disispero….

  5. Que setlist perfeito, só falto Mercy On Me e Walk Away pra detonar de vez haha E o que foi o cover de Led? MUITO foda!

  6. Ainda tô meio zonzo e sem palavras. Ela consegue superar, surpreender e ser tudo isso que ela foi naquele palco. Que setlist incrível, que show fantástico, que covers perfeitos. Puro feeling! Be My Husband me deu arrepios. DEMAIS!
    E parabéns, iLove. Mais uma vez conseguiu reunir um ótimo material pra a gente se deliciar. 🙂

  7. nunca imaginei que teriamos uma performance de makes me wanna pray!!! nossa identica a back to basics tour!!!xtina esta incrivel e essa barriga muita linda … baby jane define esse show!!!!!! parabens xtina

  8. (Sobre a repercussão do show no NOLA Jazz Fest) Estava lendo algumas resenhas sobre a performance de ontem e achei tudo bem modesto. Nada de grande elogios por parte da imprensa. Mas, no geral, houve uma onda positiva nesse retorno oficial da Christina aos palcos. Uma impressão boa. Muita gente reconhecendo o poder da sua voz, sua presença de palco e simpatia, além do visual saudável e feliz. Isso é muito legal, porque são críticos especializados em gêneros distantes do pop.
    Mas alguns trechos dessas matérias me fizeram levantar alguns questionamentos. Parece haver um consenso de que ela pode oferecer muito mais do que sua carreira tem demonstrado.
    Por exemplo:
    “Nesta fase de sua carreira e de sua vida, Aguilera pode estar muito longe no caminho pop-diva para voltar atrás. Ela não é uma cantora de blues ou jazz como seus heróis. Despir toda a maquiagem e figurinos e platitudes e artifício pode não ser uma opção, pelo menos não para ela e seu povo. A tarefa, então, para fãs e ouvintes, é filtrar todo o brilho e glamour e buscar as verdadeiras jóias. Elas podem ser encontradas. Se ao menos houvesse mais delas…”.
    Nesse outro:
    “Aguilera não depende de aparatos, embora não deixe para os dançarinos a tarefa de entreter a multidão. Ela é uma cantora fisicamente comprometida, e sua voz é sem dúvida poderosa. Muitas vezes, de fato, sua voz era mais forte do que as músicas que ela cantava. A homenagem para a big band era em “Candyman” foi agradável, mas Aguilera parecia investir mais energia e emoção do que a canção merecia. Em várias ocasiões, o conjunto parecia ser mais sobre a execução de um trabalho que sobre sentimentos reais. No momento em que ela chegou ao final de “Fighter”, Aguilera tinha estabelecido em termos inequívocos que ela tem a poderosa voz que as pessoas vieram ver. Só não estava claro o que ela queria dizer com isso.”
    Particularmente, acho que Christina passa atualmente por um momento de transição na carreira, em que está se estabelecendo como uma cantora única e tremendamente respeitável, não apenas como um ícone pop. Mesmo com Lotus atravessado no meio do caminho, a Aguilera que eu vejo hoje é tão, mas tão distinta da Aguilera de Bionic. E melhor. Mas tenho a impressão de que falta algo.
    Esse algo é um álbum que explore na totalidade sua essência, identidade e talento, que capture as entranhas, o mais íntimo dela. Algo que não se comprometa com mercado, mas tão e somente com a arte dela, com o tipo de artista que ela quer ser.
    Pra mim e pra vários outros fãs essa apresentação deixou mais que evidente que Christina pertence ao soul, ao jazz, ao r&b e ao rock (o que foi o medley Jacksons no The Voice? O que foi Whole Lotta Love?). Isso me deixa muito mais entusiasmado que qualquer Feel This Moment ou Your Body da vida. Pra mim, é isso que esses críticos estão querendo dizer. Eles estão querendo ver a alma de Christina tanto quanto nós, porque eles sabem o que ela é capaz de fazer.
    Vem com tudo sua (quase) perfeita!
    PS: MELHOR DE TUDO: “Vários minutos mais tarde, depois de um baú de roupas e vaporizador portátil rolarem até a rampa (de acesso ao palco), foi finalmente a vez da estrela. COMO UMA EQUIPE DE FILMAGEM GRAVOU, Aguilera saiu de seu trailer, deu um aceno e um sorriso para os fãs na pista e fez seu caminho ao palco, chegando com 15 minutos de atraso”.
    VAI ROLAR DVD! Só isso explica uma equipe de filmagem com ela desde os ensaios pro show na Malásia.
    Fontes: http://www.nola.com/jazzfest/index.ssf/2014/05/christina_aguilera_played_the.html
    http://www.theneworleansadvocate.com/news/9065270-171/aguilera-plays-to-crowd-with

    • Concordo com vc Felipe! O que os críticos querem e nós também, é que ela se firme em um estilo próprio e que combine com ela como os estilos que vc citou e deixe de explorar músicas essencialmente pop e com conteúdo por vezes vazios e sexuais.!

    • Disse tudo o que eu penso.
      E como se o talento e a qualidade da Xtina estivessem além do pop.Ela tem muito mais a oferecer com sua voz,mas querendo ou não ela é uma “diva pop”,então mesmo que ela faça um album mais rock ou mais soul,sempre tera uma essencia pop,como foi o B2B.Não acho que ela tenha que se afastar por completo do pop,o Bionic e umas faixas do Lotus são a prova viva disso,mas ela tem coisa muito melhor a nos dar.

  9. Eu sonho que um dia ela irá fazer um album no estilo das musicas do Led ou da Janis Joplin,sem todas essas firulas (que eu amo),com algo que mostre mais de sua alma e a torne uma artista mais completa.

  10. como assim o povo tava lá mas parecia que estavam nem ai, absurdo eu morreria de tanto gritar… :p

    • Isso me inomodou muito. Infelizmente eu tive um problema e acabei chegando la as 17h, quando uma multidao ja tinha se formado à frente do palco, e isso foi muito frustrante – assistir o show la de tras sabendo que a maior parte das pessoas na minha frente sequer eram fas. Tinha gente indo embora no meio do show, e tudo que eu queria era ver de perto. Esse é o mal de festivais, e depois desse nao repito a experiencia por ninguem. Mas ela foi incrivel no palco, mesmo com a galera ali sem conhecer boa parte das musicas dela (era com os covers mesmo que ela conseguia a atençao da maioria do publico), mas eu curti cada minuto. Fiz alguns videos no celular, que compartilho em breve.

Responder

Por favor, comente
Por favor, digite seu nome