Ouça | Versão de “Telepathy” para as rádios faz sua estreia

22

Voltamos!

E nesse nosso período de ausência, não aconteceu quase nada no mundo Xtina, exceto pela estreia do Malay Mix de Telepathy que, a essa altura, muitos de vocês já devem ter escutado. O remix é a versão retrabalhada da faixa para as rádios e já fez sua estreia nas emissoras de todo o mundo. Se você ainda não teve a oportunidade de ouvir, confira abaixo. A qualidade não é das melhores, já que foi ripada direto das rádios – mas deve matar a curiosidade de quem ainda não conseguiu escutá-la. Confira:

22 comentários

  1. Sério que a gente vai ter que se contentar com um remix como single????

    Quando essa mulher vai voltar a levar a carreira a sério novamente?! Tá difícil de engolir!!

    • Ela acabou de lançar duas musicas novas e ce ainda está reclamando?! Ce quer que ela lance uma nova música todo mês, eh?

  2. Sobre a versão Remix, mesmo com a voz da Xtina mais evidente, continuo gostando da qualidade imposta na original.

    Sobre a questão de promoção/divulgação da música, é bom lembrar que Aguilera NÃO tem qualquer obrigação. Ela já cumpriu a sua, gravou uma música maravilhosa “Telepathy”.

    Essa é obrigação da Netflix e equipe The Get Down, o que ocorreu foi a direção do seriado ter percebido qual forte é a faixa. Telepathy chamou mais atenção que Cadillac do Miguel, se não me engano o single do seriado.

    Óbvio que como fã e Fighter eu estou desejando um vídeo clipe, e honestamente tenho achado essa opção bem provável.

    Baz Luhrmann (diretor da série e de Moulin Rouge – Lady Marmalade) tem feito vários twites sobre a música, a Rca tem compartilhado tudo sobre a música (inclusive a coreografia feita por um grupo de coreógrafos).

    Christina provavelmente está focada 100% no álbum, esse silêncio dela é natural no processo dela e torturante pra nós!

    Nós resta verdadeiramente esperar!

    • Concordo! A música ficou focada na era disco e cumpriu o que prometeu. A versão Radio Remix é bem legal e está seguindo a tendência inglesa de promover músicas com toque Tropical House e/ou Deep House. Mas, convenhamos… Nós que acompanhamos toda a trajetória de Back to Basics, sentimos que a versão original é como se a Baby Jane tivesse reencarnado em uma diva disco!!!!!!!!!!!

  3. Ficou legal. Mas prefiro a original, talvez por já ter me afeiçoado a ela! 😀 Tomara q tenha clipe! E qnto a Change, alguém sabe como anda as vendas ou já vendeu?

  4. Essa versão tá seguindo a onda “Cheap Thrills”, essa batida que tá bem comum nos últimos anos e foi adicionada. Prefiro a original porque gosto da Christina indo contra a maré. Agora, a música tem sido muito notada por aí né, quem sabe um clipe e aquele buzz bonito pra nova era.

  5. prefiro mil e uma vezes a original. e por ser diferente (vibe anos 80) e atual passaria em muito mais rádios (das mais comerciais às mais específicas um pelo som do Nile Rodgers). Agora esta vai passar em rádios que só passam house, de madrugada que o pessoal curte no carro e bate com a mão no volante mas ninguém sabe quem canta.

    Não gostei da escolha porque perde as qualidades da original. Não a enaltece.

  6. sério, gostei mil vezes mais da versão original!
    esta versão nova apaga a maravilhosa vibe anos 70/80 da música

  7. Galera, concordo que a versão original é fantástica. Apenas acredito que estamos na década da música dançantes com batidas marcadas com uma métrica de um mantra como são feitas as músicas chicletes que rolam na boates raves, pois é isso que vende. Acredito ainda que há espaço para as duas: remix pra mim é uma festa dançante buscando um clima mais boate e a original é ótima pra uma apresentação ao vivo ou para apreciarmos a originalidade na nossa singularidade sobre o olhar do que Christina realmente é, ou seja, única. Vamos consumir as duas versões e assim apoiar a música de diva? Boa noite!

  8. Christina costuma ter um recesso muito grande, três a quatro anos, entre um álbum e outro. Ela devia pelo menos num desses recessos, no meio dele, lançar consecutivamente um mês após o outro um covers e no final de um ano compilar todos em uma coletânea para quem quiser adquirir de forma física.

    Músicas como:

    I found a love (Etta James)
    One Moment In Time (Whitney Houston)
    Reunited (Peaches & Herb)
    A song for you (Karen Carpenter)
    Ain’t no way (Areth Franklin)
    Get here (Oleta Adams)
    On the radio / Last dance (Donnar Summer)
    A House is Not a Home (Dionne Warwick)
    Cry me a river (Ella Fitzgerald)
    Summertime (Billie Holiday)
    I’d rather be blind (Etta James)

  9. De verdade adoro música nova, mas gosto mais de performance com muita energia, chaqualhando aquele cabelo, fazendo carão, colocando a mão pro alto nas notas altas…..
    Isso pra mim é Christina😍

Responder

Por favor, comente
Por favor, digite seu nome